Siga-nos nas Redes Sociais

Presidente da Academia

César Gomes de Pina

Mensagem do Presidente da Academia

 

11Ao longo de duas décadas de vivência na Academia do Bacalhau do Porto e de muitas outras, cheguei à conclusão de que é necessário esclarecer correctamente o que são na realidade estas instituições genuinamente portuguesas, hoje espalhadas pelos quatro cantos do mundo e curiosamente designadas “Academias do Bacalhau”, nome este, que leva muitas pessoas a confundi-las com Confrarias, as quais muito respeitamos porque graças a elas são preservadas tradições gastronómicas portuguesas que doutra forma se perderiam no tempo.

Embora ambas tenham e defendam ideais nobres, as “Academia do Bacalhau”, nada têm a ver com “Confrarias” , nem na sua génese, nem nos seus princípios, nem nos seus objectivos.

É pois necessário saber a origem deste movimento universal, carinhosamente baptizado de “Academia do Bacalhau “ há quatro décadas fundada em Joanesburgo, nomeadamente: – Quais as razões que levaram ao seu aparecimento, qual a justificação do seu curioso e original nome, qual a sua razão de ser, quais os seus objectivos e princípios, quais os seus símbolos, quais as normas porque se regem, como funcionam, como e porquê tal como uma gigantesca onda se difundiu por todo o mundo, porque razão o próprio Governo Português lhe atribui grande importância na comunidade portuguesa, porque razões e anualmente se realizam os Congressos Mundiais? etc.

Sinceramente espero que depois de consultar o nosso “site” fique por um lado, esclarecido e por outro, motivado para que em breve possa aderir a este movimento, aonde num mundo tão materialista e perturbado como aquele em que vivemos, os valores da amizade, portugalidade e solidariedade, que praticamos, são cada vez mais importantes e fundamentais nas nossas vidas.

Na defesa de tão dignas e nobres causas, dirijo um veemente apelo: “Todos nós, os actuais Compadres, num esforço colectivo temos a obrigação de preparar as Academias do Bacalhau para o futuro, afim de um dia as podermos legar a uma nova geração de jovens competentes que garantirão a sua continuidade.

Mas tal só acontecerá, se nós, os “ Compadres” da velha guarda, lhes soubermos incutir o mesmo empenho e amor, que com tanto entusiasmo e motivação dedicamos às nossas Academias e às causas que as norteiam, pois caso contrário, elas acabarão por morrer e todo o nosso esforço de quatro décadas terá sido inglório e frustrante”. Bem-vindos pois, à Academia do Bacalhau do Porto, todos aqueles que vierem por bem!….

 

Um abraço amigo com um caloroso e académico, “ Gavião de Penacho”.
César Gomes de Pina

 

Voltar